Escolha as tags que melhor definem você:

Artigo

Estratégias para um Plano de Continuidade de Negócios (BCP)

Por Ana del Amor — 10 de junho de 2020

Um BCP deve ser uma ferramenta tanto de análise quanto de tomada de decisão para garantir a excelência operacional em qualquer cenário adverso

Em um cenário de incerteza global em que, da noite para o dia, milhares de empresas foram forçadas a interromper drasticamente suas operações, é especialmente importante ter um plano abrangente que garanta a continuidade dos negócios diante da materialização de riscos que ameacem seriamente as operações. Um plano de continuidade de negócios (business continuity plan, BCP) é mais do que uma iniciativa de contingência ou recuperação de desastres. Vamos ver por quê.

Um ponto de inflexão, como o que está sendo vivido em 2020, enfatiza a importância de ter um plano B

Um plano de continuidade de negócios é um guia para garantir operações em uma situação interna ou externa que impeça o funcionamento normal da empresa. Por si só, o BCP é um caminho alternativo para a normalidade que, em 2020, tornou-se praticamente obsoleta, abrindo caminho para um novo normal que ainda não fomos capazes de encontrar.

Uma situação excepcional, como o estado de confinamento obrigatório, nos ensinou muitas lições. Algumas empresas não tinham alternativas à sua maneira usual de fazer. E muitos outros demonstraram não ser tão digitais quanto pensavam.

Em nossa sociedade tecnológica é comum confundir BCPs com planos de contingência de TI. Estes últimos são um subgrupo específico para uma área fundamental em muitas empresas, mas corremos o risco de ignorar o resto dos processos estratégicos, operacionais e de suporte, vitais para a continuidade dos negócios.

Até agora, era comum confundir BCPs com plano de recuperação de desastres (disaster recovery plan –DRP), associando-os a incêndios, terremotos ou inundações.

Mas a partir de 2020, sabemos que não são apenas esses tipos de incidentes que tiram as empresas do eixo. Uma interrupção grave ou atraso na cadeia de suprimentos, a incapacidade de acesso ao local de trabalho, uma queda acentuada na demanda, o acúmulo de estoques ou o encarecimento repentino de algum fator de produção são situações excepcionais que têm sido subestimadas pelas empresas.

Um BCP deve ser uma ferramenta tanto para análise quanto para a tomada de decisões. Não é apenas uma resposta a uma contingência, emergência ou desastre, mas uma contribuição para garantir a excelência operacional em qualquer cenário adverso.

Uma das bases para o desenvolvimento dos BCPs é analisar tanto o ambiente – clientes, mercado, fornecedores, tecnologia – como a empresa, constantemente imaginando o que podemos fazer diferente, o que podemos fazer melhor, se podemos ser mais eficientes e se nossas operações podem ser mais robustas.

Para isso, as empresas contam com ferramentas de análise – e até de previsão – que suportam o BCP. Essas ferramentas nos permitem olhar para o futuro e fazer as mudanças estratégicas e operacionais que estabelecem as bases para o crescimento futuro e estabilidade da empresa.

Em caso de necessidade de ativação do BCP, o resultado deve permitir que o funcionamento do negócio seja mantido antes, durante e após o incidente, definindo procedimentos contínuos, tais como:

  • Procedimentos operacionais alternativos.

  • Mecanismos de recuperação de sistemas e de informações.

  • Reatribuição de responsabilidades (papéis e pessoas)​.

  • Identificação de fornecedores e clientes críticos.

Por fim, é importante estar ciente de que o BCP da nossa empresa não pode ser um elemento estático, mas deve evoluir de forma constante, adaptando-se ao cenário em que estamos e ao nível de incerteza que enfrentamos.

Vantagens de um BCP

  • Conhecimento aprofundado da empresa.

  • Agilidade e velocidade para tomar as decisões certas em cada situação.

  • Classificação de ativos para priorizar sua proteção, colocação em funcionamento e recuperação.

  • Minimização de perdas de negócios em caso de desastre ou contingência.

  • Vantagem competitiva sobre a concorrência para maior resiliência em tempos de crise.

A gestão da continuidade de negócios é um processo contínuo que inclui uma análise do início ao fim da empresa, identificando suas fraquezas e suas principais ameaças, com o objetivo de elaborar um plano de rota que permita garantir as operações minimizando o impacto para o negócio.

 

Os pilares de um plano de continuidade de negócios

1. Entender bem o mercado, a estratégia e os processos

  • Ainda que pareça óbvio, a base de um BCP é entender qual é o propósito da empresa, em que mercado ela atua, quais são as necessidades de nossos clientes, quem é a concorrência, quem são nossos fornecedores, em quais pontos na cadeia de valor ele atuam etc.

  • Assim, teremos que responder a perguntas como: qual é o nível mínimo de funcionalidade aceitável? Em quanto tempo devemos recuperar serviços essenciais? Que clientes e fornecedores são críticos? Essas reflexões são essenciais para proporcionar uma tomada de decisão ágil e consistente frente ao risco.

  • Esse conhecimento nos permitirá estabelecer o caminho crítico das operações de ponta-a-ponta. Algumas das ferramentas que podem ajudar nesse propósito são, entre outras: business impact analysis (BIA), para definir funções críticas do negócio e classificá-las por criticidade; ou o process mining, para levantar os processos e descobrir interações e pontos críticos.

2. Avaliar e decidir o nível de risco que assumiremos

  • O BCP identifica os processos de uma empresa no sentido mais amplo: analisa interações, dependências, entradas e saídas, falhas comuns, sistemas, repositórios… E também analisa a própria organização: quais papéis, pessoas e funções são essenciais, além de quais ativos físicos e locais são importantes.

  • É vital ser exaustivo neste ponto e realizar uma análise aprofundada de ativos, dependências, ameaças e salvaguardas para ter uma visão clara, que servirá de base para a construção de um plano efetivo de resposta e de mitigação de riscos. Nesse aspecto, é interessante apoiar-se em ferramentas de análise visual, como mapas de risco, que permitem identificar rapidamente os ativos da empresa que estão mais expostos. Esse mapa de risco inicial será limitado em escopo e em função dos diferentes cenários de mitigação que forem decididos para incluir no BCP e nos níveis de risco assumíveis em cada caso.

3. Co-criar e implementar o plano de continuidade de negócios

  • Como mudamos a operação, como podemos proteger nossos ativos mais valiosos e como podemos nos reinventar e nos adaptar às situações desconhecidas?

  • Não há resposta errada para essas perguntas. Cada empresa, em seu contexto interno, deve ser capaz de desconstruir e inovar para redesenhar as linhas do próprio jogo. Assim, respondendo perguntas como essas, o plano vai sendo definindo aos poucos.

  • Como o BCP não é um único plano, deve-se levar em conta todas as áreas da empresa, e incluir um roteiro de projetos que permitam reduzir a pegada de risco e a realização dos diferentes planos: gestão de crises, comunicação, recuperação, operação em contingência, restauração, treinamento, etc.

  • Para isso, é muito importante envolver o talento da empresa. Ninguém melhor do que as pessoas que formam parte da empresa para conhecer a operação e como ela deve ser mudada ou evoluída, de modo que o resultado seja fruto da cocriação e o do compromisso de todos eles com o negócio.

4. Testar e melhorar o plano, adaptando-o ao ambiente

  • Um BCP desatualizado é o mesmo que não ter nada. O BCP deve ser um motor para avançar, tomar decisões corajosas e evoluir, pois oferece respostas às perguntas que põe o futuro de nosso negócio em jogo.

  • Portanto, embora a identificação e a gestão de riscos não sejam novas para as empresas, é aconselhável aprofundar sua prática, transformá-las em um processo contínuo e integrá-las ao modelo de governança da organização.

  • Por isso, é fundamental ter uma equipe bem formada em BCP e patrocinada pela gestão da empresa, capaz de liderar um processo de transformação tão exigente quanto este.

  • Essa equipe será responsável por evangelizar o resto da empresa, envolvendo-os nos exercícios previstos no BCP e promovendo uma cultura de gestão de riscos baseada na prevenção, adaptação contínua à mudança e inovação. Nesse papel, a digitalização do negócio é, ao mesmo tempo, ferramenta e facilitadora do BCP.

Estratégias para construir um bom BCP

Prepare-se

Vimos isso durante a crise de 2020. Por que alguns países reagiram tão rapidamente e conseguiram minimizar o impacto? A resposta é que eles estavam preparados. Eles haviam experimentado crises semelhantes no passado e tinham um plano baseado em protocolos de prevenção e ação que poderiam ser implementados de forma rápida e eficaz, sem ter que defini-los concomitantemente a sua execução.

Comece com algo pequeno

Este tipo de iniciativa tem o risco de paralisação na etapa da análise. Não podemos esperar por absolutamente todos os cenários cobertos: vamos priorizar e atacar aqueles que reduzem a maior pegada de risco com o menor esforço, com uma abordagem 80/20.

Inove e cocrie

Uma cultura de inovação ajuda a enfrentar desafios tão complexos quanto transformar-se e adaptar-se a uma nova realidade de forma eficaz e no menor tempo possível.

Da mesma forma, o processo de criação de um BCP bem-sucedido deve ser colaborativo, e na medida do possível bottom-up, aproveitando assim o conhecimento da empresa.

A digitalização e robotização de processos são seus aliados

Maximizar a digitalização e automação de processos traz benefícios, não só em termos de redução de custos e melhoria de eficiência e qualidade, como também ao facilitar a continuidade na operação e minimizar o impacto das situações de contingência.

É fácil mudar se sua organização é agile

Ter um BCP é importante, mas o que acontece se a ameaça causar mudanças inesperadas que façam com que as operações sejam repensadas, ou mesmo o modelo de negócio? É aqui que empresas com uma cultura agile, e orientadas à mudança, têm uma clara vantagem competitiva ao serem capazes de reinventar suas operações com impacto mínimo, chegando inclusive a descobrir novas oportunidades de negócios.

Se você não tentar, não vai funcionar

Não adianta ter um plano perfeito se não formos treinados para executá-lo depois. É essencial planejar simulações e definir cenários de contingência que permitam a depurar, revisar e melhorar continuamente os planos para que quando a ameaça surgir estejamos realmente preparados.

Comunicar, comunicar, comunicar

É muito importante que toda a organização esteja ciente das ameaças que podem colocar em risco o nosso negócio e como devem agir caso alguma delas se materialize. Campanhas de comunicação, treinamento e conscientização são fundamentais aqui, para que as pessoas se sintam envolvidas e partícipes do plano.

Uma referência para seguir em frente

Se a resiliência é a capacidade de se recuperar e se recompor frente a uma adversidade ou contingência, um BCP é a ferramenta que nos guia e nos ajuda a tornar esse caminho menos traumático possível.

Serviços relacionados
BusinessEstratégiaOperações
Elena Antona

Director da Unidade de Negócio

Contato
Ana Izquierdo

Líder do Serviço de Estratégia

Contato
Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter mensal.