Inovar a partir das pessoas, o novo paradigma das empresas

Sabemos começar o caminho da inovação, mas não quando alcançaremos a meta

A vida ocorre e transcorre entre conversas com outra pessoa, com você mesmo, com um bom livro… Elas estão tão integradas em nosso dia a dia que às vezes esquecemos quanto são importantes. Elas nos fazem pensar, enriquecem e permitem ver o mundo de outros pontos de vista. Algumas transcorrem sem nada especial, mas outras nos inspiram e permanecem, porque nos fazem sonhar ou nos convidam para arriscar e, por que não, a avançar. Se olharmos para trás, encontraremos a conversa que nos fez abrir os olhos e tomar a decisão que no dia de hoje transformamos em ação.

Rodeamo-nos de boas conversas quando procuramos inspiração. Compartilhando, crescemos, nos conectamos com novas ideias e encontramos oportunidades onde antes não as víamos. Nem sempre é fácil encontrar uma boa conversa, exige investir tempo, paciência, curiosidade e vontade. Conversar com pessoas além do nosso setor ou âmbito nos permite descobrir uma zona mágica, longe do que já sabemos ou conhecemos. Existe um sem-fim de surpresas por trás de cada pessoa, histórias pessoais e aprendizagens que, independentemente do âmbito de trabalho ou outras características, são capazes de inspirar.

Hoje em dia é mais relevante que nunca encontrar inspiração

Novas tecnologias que nem sempre sabemos como aplicar, mercados agressivos, fuga de talento, sociedades com necessidades que evoluem mais rapidamente do que o mercado e, em definitiva, pouco espaço para inovar. Onde estão os oceanos azuis? Como nos diferenciamos? Qual é a estratégia? Como retemos o talento? De que precisamos como empresa ou como sociedade?

Temos que inovar e a hora é agora. Mas por onde começamos? Ninguém criou uma fórmula mágica para isso. Temos métodos como design thinking ou lean startup, ferramentas como visual thinking, mapas de empatia ou casos reais de inovação. Poderíamos dizer que sabemos começar o caminho da inovação, mas não quando alcançaremos a meta.

Isso nos preocupa, pois não sabemos quanto teremos que investir até termos um retorno, mas sabemos que o tempo chega ao fim e aquilo que antes eram ideias com muitos anos de boas colheitas agora não existe mais, pois tudo muda mais rapidamente. Os resultados de começar o caminho rumo à inovação são difíceis de prever em tempo e forma. Somos CEOs de companhias em um mercado que muda em grande velocidade, sabemos que temos que inovar e que isso implica arriscar.

Nada mais do que já fizemos em seu momento, só que agora é global, digital, de mudanças rápidas, de sociedades conectadas cada vez mais exigentes e de concorrência que não para de crescer.

A inspiração é a faísca da inovação

Toda inovação começa com um pressentimento de que encontramos aquilo de que o mundo precisa e que podemos oferecê-lo. Isto, sem exceção, pode nos acontecer em qualquer uma das nossas conversas. Portanto, criar barreiras imaginárias entre nós é, sem dúvida, uma má decisão.

O caminho rumo à inovação inicia-se no dia em que abrimos a porta e vemos que dentro e fora da empresa todos acrescentamos algo. Precisamos utilizar linguagens globais, sem tecnicismos; criar espaços abertos, sem hierarquias, sem grupos, onde em equipe ganharemos; entender quanto antes possível que as pessoas da nossa empresa e de fora, com um sem-fim de histórias inspiradoras, são quem poderá nos ajudar a inovar. Porque como já sabíamos, a inovação começa quando inspiramos, conversamos, colaboramos, compartilhamos e criamos juntos.

A Nae Sonha

Na Nae apostamos firmemente na colaboração tanto interna quanto externa, pois sabemos que em equipe chegaremos mais longe. A diversidade e a globalidade nos enriquecem, e em cada conversa olhamos para o mundo com outros olhos. Conjuntamente, com nosso talento, conhecimento, experiência e paixão somos os protagonistas do nosso programa de inovação global.

Inspirados em design thinking e em lean startup, criamos o movimento A Nae Sonha (Nae Sueña), que nos dá as ferramentas, os canais, a agilidade e a dinamização necessária para inovarmos e acrescentarmos em equipe.

O dia em que decidimos que queríamos criar um programa de inovação global, descobrimos que este não podia ser elaborado por um comitê de direção. O programa tinha que ser de todos, e para isso precisávamos elaborá-lo conjuntamente. Sim, arriscamos e começamos o caminho, com tudo o que sabíamos sobre inovação, com a alegria e o compromisso do nosso talento.

Hoje temos a sorte de contar com um modelo de inovação distribuído por toda a companhia, cheio de oportunidades, que nos apaixona. E, principalmente, que põe as pessoas no centro e as empodera, porque todas podem ter um pressentimento e esse pode ser o princípio da inovação. Só assim se consegue criar um modelo sustentável, realizável, alcançável, global e com resultados.

Nossa receita é pôr o talento da Nae em um espaço aberto de conversas, de colaborações e misturá-lo em conjunto, inspirando, apaixonando, acompanhando e fazendo com que neste programa o conjunto tenha no centro os protagonistas.

Porque, como lhes dizia, nossa vida é feita de conversas, e só escutando e trabalhando em equipe nos inspiramos, geramos compromisso, somamos forças, pontos de vista e criamos aquilo de que o mundo realmente precisa.

 

Susana Magrans

susana.magrans@nae.es

Saiba mais:

A Nae trabalha com operadoras de telecomunicações, grandes empresas e administrações públicas para antecipar os desafios de crescimento e transformação do mercado, melhorando sua estratégia de negócio e eficiência operacional. A Nae conta com filiais na Espanha, Colômbia, México, Brasil e Costa Rica, formando uma equipe de mais de 600 profissionais.