Casos de sucesso de gamificação na empresa

Aprender jogando comporta numerosas vantagens com respeito aos modelos tradicionais tanto para a empresa como para as pessoas. Todos ganhamos

A preocupação em adquirir o talento adequado, a procura por modelos de aprendizado contínuo entre os empregados, o alinhamento com os objetivos da organização de pessoas cada vez mais heterogêneas e a falta de agilidade para responder às mudanças são, entre outros, os maiores desafios enfrentados neste momento pelas organizações.

A nova era empurra as organizações para experiências contínuas de aprendizado que permitam aos colaboradores adquirir habilidades de maneira rápida e fácil. Em mudanças culturais nas quais se adotam novas metodologias, o uso de mecanismos digitais como a gamificação é o elemento adequado para assegurar a participação e envolvimento do trabalhador conseguindo aprender com uma experiência AA (Anytime Anywhere) diferenciada.

Dando continuidade ao artigo sobre a importância da gamificação nos recursos humanos, estas são as chaves de alguns dos nossos casos de sucesso de gamificação na empresa para otimizar o talento e os recursos:

  • Fomento da competitividade

No caso de um dos nossos clientes especializados em serviços bancários, pretendia-se melhorar os resultados de participação e aproveitamento em treinamentos regulados e obrigatórios para a empresa. Ao ser uma empresa com alta rotatividade, muitas pessoas deviam fazer o treinamento, de modo que a gamificação também se apresentava como uma alternativa muito interessante associada à economia de custos.

Ao início do processo não se desestimou a formação presencial, pelo que se optou por conciliar o modelo tradicional com a gamificação. Desta maneira fomos capazes de medir o conhecimento de partida dos colaboradores logo após sua participação no treinamento presencial, que constituía 40% de média de acertos. Em duas semanas, graças à gamificação aumentou-se a cifra para mais de 80% de acertos conseguindo, além disso, uma participação de 89%.

Este treinamento gamificado foi realizado através do aplicativo móvel SmartQuiz. Os usuários treinam contra o sistema, mas também podem desafiar-se entre si. Essa competitividade é a que faz com que as pessoas participem e aprendam.

  • Economia de custos e uniformização do conhecimento

Um dos nossos clientes focado no treinamento em digitalização e conhecimento específico de serviços financeiros tinha o desafio de reunir todo o pessoal humano em um único ponto para realizar treinamentos de equipes concretas. Neste caso, ao operar em nível mundial, supunha-se que ele deveria fazer um investimento ao redor de um milhão de euros. Através da gamificação, não só conseguiu reduzir os custos, mas também se obteve uma participação de 65% superando a barreira histórica de 30%.

Além da economia econômica e da flexibilidade dos horários, a gamificação também permite uniformizar o conhecimento entre diferentes coletivos de pessoas, rompendo inclusive barreiras geográficas. Também se gera o sentimento de organização e de pertença a um grupo, conseguindo que se compartilhem melhores práticas e informação entre os envolvidos.

  • Aumento da retenção do conhecimento

Em outro caso estávamos perante um temário complexo que requeria um conhecimento muito elevado em temas muito específicos. O objetivo era explicar o funcionamento dos processos para assegurar a eficácia na prestação do serviço e reduzir riscos.

Um dos maiores desafios em métodos formativos é sermos capazes de despertar um interesse real no colaborador, já que costuma tratar-se de processos tediosos tanto pelo temário quanto pela falta de motivação.

Além de passar de 58% de acertos a 85% em apenas duas semanas e conseguir um engajamento de 95%, detectou-se que o pico de atividade era muito alto no fim de semana.

Apesar de ser um tema denso, conseguiu-se que os usuários fossem ativos em seu tempo livre, alcançando uma retenção do conhecimento muito alta: três meses depois, ao repetirem a avaliação, os participantes registraram 83% de acertos. Ou seja, só se “perderam” 2% do adquirido.

Atualmente estamos trabalhando em outro caso com uma plataforma de e-learning tradicional sobre a qual se montou a gamificação com metáforas sob medida em um mundo ambientado nas rotas do comércio (a rota da seda de Marco Polo ou o Galeão de Manila, entre outras). Ainda está em andamento, portanto ainda não se têm resultados, mas está se dando muita importância ao componente de entretenimento neste tipo de cenário.

Se quiser fomentar a retenção do conhecimento e o talento participativo em sua empresa com resultados mensuráveis, anime-se a utilizar a mecânica do jogo em contextos não lúdicos como a educação ou o trabalho. Está demonstrado que aprender jogando comporta numerosas vantagens frente aos modelos tradicionais tanto para a empresa como para as pessoas. Todos ganhamos.

Gorka Riocerezo
gorka.riocerezo@nae.es

Learn more:

A Nae trabalha com operadoras de telecomunicações, grandes empresas e administrações públicas para antecipar os desafios de crescimento e transformação do mercado, melhorando sua estratégia de negócio e eficiência operacional. A Nae conta com filiais na Espanha, Colômbia, México, Brasil e Costa Rica, formando uma equipe de mais de 600 profissionais.