DPVAT: os possíveis impactos de sua extinção para as seguradoras brasileiras

Uma parcela considerável de proprietários de veículos que só contavam com esse recurso pode ser alcançada com a extinção do famoso seguro obrigatório

Em novembro do ano passado, o governo federal, tendo como representante nacional o presidente Jair Bolsonaro, decidiu pela extinção do Seguro Obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres, o tão conhecido DPVAT. Esta modalidade, por sua vez, era o único recurso de pessoas que não recorriam às seguradoras privadas.

Esta recente extinção, que teve como ponto de partida a suposição de fraudes e fragilidades, traz possíveis reflexos ao setor de seguros, principalmente pela fatia considerável de pessoas que estão sem seguro. Quando se fala no curto prazo, o mercado passa a contar com um período de transição e acomodação natural para os microsseguros, um nicho que pode surgir para esta parcela de público.

Fundamentalmente o setor possui opções de proteção já disponíveis com cobertura semelhantes, e que oferecem serviços de assistência e muitas vezes mais convidativos em termos de preço do que o seguro DPVAT, que agora deixa de ser uma despesa mandatória. O que auxilia essa transição e a recente resolução da Superintendência de Seguros Privados – SUSEP, que permite a venda direta de seguros sem corretor, criando um mecanismo mais digitalizado.

O desafio do setor, em consonância com essa série de transformações, será buscar uma aproximação, explicar os seus produtos e facultar a adesão de forma mais simples e clara. O seguro DPVAT se demonstrou pouco eficiente na linha do tempo por diversas dificuldades, pois mesmo com alto volume de sinistros, as pessoas não se utilizavam do serviço.

Com uma informação mais precisa, relacionamento próximo e processos mais digitais, surge à frente do setor de seguros uma possibilidade promissora de atender esta parcela que ficou desassegurada por um sistema que era ineficiente e pouco acessível. Ainda que seja uma decisão polêmica, a extinção do DPVAT oferece às seguradoras a possibilidade de trabalhar outros meios de atração ao seguro privado, de forma mais eficaz, prática e com custos acessíveis.

Saiba mais:

A Nae trabalha com operadoras de telecomunicações, grandes empresas e administrações públicas para antecipar os desafios de crescimento e transformação do mercado, melhorando sua estratégia de negócio e eficiência operacional. A Nae conta com filiais na Espanha, Colômbia, México, Brasil e Costa Rica, formando uma equipe de mais de 600 profissionais.